Galeria “Círculo”

Academia das Artes Plásticas (CCS)

A Galeria Círculo nasce do gosto de poder expor no seu espaço público trabalhos de artistas da nossa terra.
Ocupando o foyer do Círculo, ficará patente todos os meses um novo autor, com curadoria da artista plástica Fernanda Narciso e respectivas montagens por Francisco Maurício.
Cada exposição estará patente ao público ao longo de 20 dias no horário de expediente do Círculo.


EXPOSIÇÕES


13.fev.2019

ARTUR GOULART

O Círculo Cultural Scalabitano dará início esta sexta-feira, dia 13 de setembro ao lançamento do Ciclo de Exposições denominado “Artistas da nossa terra” ,com uma mostra de pintura de Artur Goulart.

A inauguração desta mostra ocorrerá dia 13 de setembro às 18 horas no foyer do CCS, ficando patente ao público no foyer do CCS de 13 de setembro até final do mês podendo ser visitada de 2.ª a 6.ª feira entre as 14:00h e as 20:00h.

10.nov.2019

ANTÓNIO CANAVARRO

Quando tendo balizar um “verbo” para o início da minha aventura pictórica costumo datar de 2007, ou seja, há 12 anos. Porém já antes pintava: recordo-me de ter feito, embora há muito tempo perdido, um retrato da minha mãe, teria eu uns 8/9 anos.

Lembro-me, e era ainda bem mais novo – das memórias mais remotas – de ter visto, na Gulbenkian, uma retrospetiva (e ele creio que ainda estava vivo) do Picasso.

Este é o fito da minha exposição, ou seja, dar a conhecer, no nosso “Teatro Taborda” o que fiz com suporte artístico, do Oliveira Tavares e do César Pires (duas obras), e algumas da minha total responsabilidade, e nas quais fui procurando um rumo. Um caminhar ainda bem longe de encontrar uma meta.

10.dez.2019

EVA MENDONÇA

Esta série de trabalhos foca-se, essencialmente, na presença da mancha em conjunto com o delinear negro das personagens sugeridas nas obras.

Existe uma atmosfera de sensação cromática dada através do dramatismo pictórico das cores. No mesmo patamar, convive uma interpretação minimalista dos lugares, pessoas, histórias que intuitivamente são recriadas através destes registos.

Em cada obra está um pedaço de alma. E a alma, em vez de ir ficando despida, vai-se multiplicando e expandindo a cada exploração artística.

18.jan.2020

ANA RITA MANIQUE

Mnesis – Este conjunto de trabalhos provém de uma exploração da memória (visual) como autor-representação, em que a imagem surge a partir da tentativa de restituição da mnésis.

A atmosfera densa e circular surge do processo de execução, em que o movimento do corpo tenta descobrir e limar um vestígio de uma imagem visual: a mão em contacto com o pó de carvão surge como único riscador, e consequentemente, como elemento de ligação entre memória e imagem.

15.fev.2020

ALBERTINA SILVA

A pintura é algo de sublime, que me eleva a alma e me anima incitando-me a prosseguir, a pesquisar, a inventar, a estudar. Apreciar a natureza, e trabalhar mais e mais, no sentido de transportar para a tela a emoção da beleza que ela nos oferece em cada momento do dia, é todo o meu objetivo e desejo. As cores, as formas, a luz e as sombras, são coisas que me tocam de uma maneira tão especial!.

22.mai.2021

FILIPA CARMO

A exposição engloba essencialmente o universo da sexualidade, da fertilidade, da relação do eu, do eu com o outro, em última análise, a catarse das emoções.
A série «The Bag Holds The Oblivion» (2014-2016) é um conjunto de 8 pinturas que recria uma história onde predomina a tristeza e solidão mas, também o humor e sarcasmo.
Já a série «(Society) Stitches Me» (2016-2017), é um auto-desafio explorando a espontaneidade em que a reflexão passa para segundo plano deixando o corpo fluir no presente e simplesmente criar.
É o que me agrada chamar de um exercício de mindfulness. […]

16.out.2021

MARIANA CAMPOS

Gosto de olhar para as coisas. Gosto de pintar e desenhar as coisas que vejo e as coisas que penso e imagino.
A realidade é dotada de uma beleza e complexidade infindáveis. Pintar e desenhar permitem-me dissecar algo durante horas, compreender melhor a sua natureza, os fenómenos da luz que incide, a estrutura de um corpo.

21.nov.2021

ANDRÉ ESTEVES

A arte e o artista não se conseguem distinguir, fundem-se numa mescla de personalidade e cultura, que influenciam o período e a sociedade onde se inserem.

Como artista que privilegia o retrato humano, já não é minha intenção expressar-me através de um realismo exacerbado. Invés disso, o meu intuito é transmitir sensações por intermédio da aplicação de cor e forma através de uma pincelada livre e expressiva, adquirindo uma linguagem quase ilustrativa.

22.jan.2022

NUNO EUSÉBIO

Reflexão sobre o conceito de espaço público ou espaço comum que é a zona que junta por um lado e separa por outro lado. Local de encontros e desencontros que a todos pertence sem que tenha dono. Estes trabalhos são uma expressão de ideias sobre essa reflexão. Cada quadro é uma abordagem segmentada e diferenciada sobre o tema.

26.fev.2022

JÚLIA CADIMA

“eu gosto é de sujar telas”

Com a pintura sinto-me livre e mais feliz. Pinto a óleo porque é a técnica que mais me agrada. Esta é a minha primeira exposição individual, mostro as paisagens que marcam o inicio do meu percurso, como eu disse, gosto muito de sujar telas.

22.mar.2022

M.ª DOS ANJOS CABAÇO

Ao pintar conto sonhos e lembranças com as cores que desejo e com as formas que imagino. Cada pincelada é a libertação do que sinto, do que vejo com os olhos da alma.
Na UTIS, nas aulas da Fernanda Narciso, iniciei uma viagem por entre telas, tintas e pincéis. Descobri o prazer de pintar. A aventura continuou com a ajuda do César Pires através de novas técnicas e novas abordagens do ver e do sentir.
Pintar, permite-me momentos de descontração e diversão.

30.abr.2022

M.ª EMÍLIA GALVEIAS

“evoluir sempre

Começou a aplicar o seu gosto pelas artes em pinturas desde 1990 no Centro de Desporto Cultura e Recreio dos CTT.
Em 2000 início de frequência no Centro Cultural Regional de Santarém, curso de desenho e pintura sob a orientação do Mestre José Quaresma com duração de 3 anos, conseguindo atingir os objectivos propostos.
Frequentou curso sob orientação da Prof.ª Assunção Roxo, da Internacional University – ONG – ONU em Lisboa.
Frequentou Workshop com o Prof.º Oliveira Tavares.
Participou em vários Workshops de pintura, aguarela, pastel, etc.
Exposições colectivas no C.D.C.R. dos CTT, Santarém.
Exposições colectivas no Fórum Mário Viegas, Santarém.
Exposições em WShopping Santarém; INATEL. Santarém; Santarém Hotel.
Participação em concursos de pintura ao ar livre em Constância, 2014 e 2015.

A sua pintura favorita é óleo, paisagens, natureza morta, abstractos, etc.

11.jun.2022

RICARDO GONÇALVES

Descrevo os meus desenhos como uma simbiose perfeita entre a precisão e o real que ligam duas “artes” da minha vida e que juntas resultam nestas obras que retratam as minhas origens, o meu crescimento, a cultura e os valores que me foram transmitidos.

24.set.2022

ARTUR JOÃO GOULART

Já há anos que a aguarela é a minha técnica preferida, mas passou muito tempo em que não fiz nenhum trabalho de pintura e perdi o “cérebro da mão”.

Com a pandemia e consequente obrigatoriedade de confinamento, coloquei-me um objetivo primordial – readquirir a mão no desenho. Inicialmente pensei fazer o retrato dos meus amigos e familiares em aguarela, mas as dificuldades foram desencorajadouras. Assim, resolvi virar-me para o pastel (que nunca tinha experimentado).

Representado no Arquivo Municipal de Lisboa com milhares de fotos, maioritariamente fotografias de Lisboa, que documentam muitos locais da cidade, com destaque para a construção da Biblioteca Nacional, obras na 2ª Circular e construção da Ponte 25 de Abril e, também, as obras do Metropolitano de Lisboa. Há ainda imagens dos concelhos próximos, nomeadamente de Loures e de Odivelas.